Relatório referente à semana de 25-11 a 01-12

1. AÇÕES PREVISTAS PARA A SEMANA

Medição de resultados;
Conclusão do relatório técnico do projeto.

2. AÇÕES REALIZADAS NA SEMANA

Finalização do projeto com a medição de resultados do protótipo e desenvolvimento do relatório técnico.

3. PENDÊNCIAS PRINCIPAIS

4. DIFICULDADES PRINCIPAIS


5. MATERIAIS PRÁTICOS A PROVIDENCIAR

6. MATERIAIS TEÓRICOS A PROVIDENCIAR



7. CONTATOS A REALIZAR

8. IDÉIAS A EXPLORAR

9. ENCAMINHAMENTOS PARA A SEMANA SEGUINTE

.10. ENCAMINHAMENTOS PARA AS SEMANAS POSTERIORES

– 

11. ANÁLISE DO CUMPRIMENTO DO PROJETO

Muito bom.

12. AVALIAÇÃO DO ANDAMENTO DO PROJETO

O projeto foi concluído dentro do prazo estipulado.

13. OBSERVAÇÕES E COMENTÁRIOS GERAIS


Relatório referente à semana de 18/11 – 24/11

1. AÇÕES PREVISTAS PARA A SEMANA

Montagem do protótipo;
Compra de materiais faltantes;
Elaboração do relatório técnico do projeto.

2. AÇÕES REALIZADAS NA SEMANA

Seguimento da montagem do protótipo;
Desenvolvimento do relatório técnico.

3. PENDÊNCIAS PRINCIPAIS

Medição de resultados.

4. DIFICULDADES PRINCIPAIS


5. MATERIAIS PRÁTICOS A PROVIDENCIAR

A compra de materiais está sendo feita de acordo com a montagem do protótipo.

6. MATERIAIS TEÓRICOS A PROVIDENCIAR

Estão sendo feitas pesquisas para auxiliar o desenvolvimento do relatório técnico .

7. CONTATOS A REALIZAR

Negociar a utilização de equipamentos do CEFET para medição de resultados do protótipo.

8. IDÉIAS A EXPLORAR

9. ENCAMINHAMENTOS PARA A SEMANA SEGUINTE

Conclusão da montagem e do relatório técnico do projeto.

10. ENCAMINHAMENTOS PARA AS SEMANAS POSTERIORES

Apresentação final.

11. ANÁLISE DO CUMPRIMENTO DO PROJETO

Muito bom.

12. AVALIAÇÃO DO ANDAMENTO DO PROJETO

O projeto será concluído dentro do prazo previamente estabelecido.

13. OBSERVAÇÕES E COMENTÁRIOS GERAIS


Relatório referente à semana de 11/11 – 17/11

1. AÇÕES PREVISTAS PARA A SEMANA

Montagem do protótipo
Compra de materiais faltantes.

2. AÇÕES REALIZADAS NA SEMANA

Nesta etapa foi feita a colagem dos tubos nas placas do aquecedor e a montagem do resto da tubulação.
Foi dada a autorização para que o grupo utilize como reservatório um recipiente encontrado no LACTEA.

3. PENDÊNCIAS PRINCIPAIS

Compra dos materiais mais caros.
Equipamento para medição de resultados.


4. DIFICULDADES PRINCIPAIS


5. MATERIAIS PRÁTICOS A PROVIDENCIAR

A compra de materiais está sendo feita de acordo com a montagem do protótipo.

6. MATERIAIS TEÓRICOS A PROVIDENCIAR

Não há mais materiais teóricos a providenciar no momento.

7. CONTATOS A REALIZAR

Negociar a utilização de equipamentos do CEFET para medição de resultados do protótipo.

8. IDÉIAS A EXPLORAR

9. ENCAMINHAMENTOS PARA A SEMANA SEGUINTE

Montagem, aquisição de materiais de acordo com o andamento da montagem, e elaboração do relatório técnico do projeto.

10. ENCAMINHAMENTOS PARA AS SEMANAS POSTERIORES

Conclusão da etapa de montagem;
Realização de testes;
Obter amostragem de medições;
Síntese e avaliação de resultados;
Finalização do relatório técnico do projeto
.

11. ANÁLISE DO CUMPRIMENTO DO PROJETO

Muito bom.

OBS: O projeto encontrava-se em atraso nas semanas anteriores. entretanto os esforços envidados foram suficientes para alavancar as etapas de montagem.

12. AVALIAÇÃO DO ANDAMENTO DO PROJETO

O projeto será concluído dentro do prazo previamente estabelecido.

13. OBSERVAÇÕES E COMENTÁRIOS GERAIS


Relatório referente à semana de 04/11 – 10/11

1. AÇÕES PREVISTAS PARA A SEMANA

Montagem do protótipo
* término da montagem do coletor solar (calafetação/vedação);
* aplicação de esmalte sobre o coletor montado;
* elaboração de uma manta de isolamento térmico;

Compra de materiais faltantes.

2. AÇÕES REALIZADAS NA SEMANA

Conforme previsto está sendo executada a montagem do protótipo (ações previstas no tópico anterior) e a compra de materiais.

3. PENDÊNCIAS PRINCIPAIS

Compra dos materiais mais caros.

4. DIFICULDADES PRINCIPAIS


5. MATERIAIS PRÁTICOS A PROVIDENCIAR

Verificar a possibilidade de utilizar um recipiente que já está no LACTEA como reservatório para armazenagem de água (10/11).
Caso não seja prossível, provideciaremos uma bombona na litragem ideal.

6. MATERIAIS TEÓRICOS A PROVIDENCIAR

Não há mais materias teóricos a providenciar no momento.

7. CONTATOS A REALIZAR

Negociar a utilização de equipamentos do CEFET para medição de resultados do protótipo.

8. IDÉIAS A EXPLORAR

9. ENCAMINHAMENTOS PARA A SEMANA SEGUINTE

Aquisição de materiais de acordo com o andamento da montagem.

10. ENCAMINHAMENTOS PARA AS SEMANAS POSTERIORES

Conclusão da etapa de montagem;
Realização de testes;
Obter amostragem de medições;
Síntese e avaliação de resultados.

11. ANÁLISE DO CUMPRIMENTO DO PROJETO

Muito bom.

OBS: O projeto encontrava-se em atraso nas semanas anteriores. entretanto os esforços envidados foram suficientes para alavancar as etapas de montagem.

12. AVALIAÇÃO DO ANDAMENTO DO PROJETO

O projeto será concluído dentro do prazo previamente estabelecido.

13. OBSERVAÇÕES E COMENTÁRIOS GERAIS


A IDÉIA DE SE UTILIZAR AQUECEDORES SOLARES

Aquecer a água consiste em uma grande parcela da energia consumida em uma instalação residencial. Utiliza-se a água aquecida nos banhos, lavatórios, lava-louças, etc. Um aquecedor elétrico consome, em média, 4800 kWh de energia elétrica e libera cerca de 2993 Kg de CO2 para a atmosfera.

Uma opção mais ecologicamente correta é utilizar os aquecedores solares auxiliados por um tradicional aquecedor elétrico. Esse sistema de aquecimento pode ser responsável por uma redução de até 50% das contas de energia e da emissão de CO2.

O Sistema de Aquecimento Solar

Um sistema básico de aquecimento de água por energia solar é composto de coletores solares (ou placas solares) e do reservatório térmico (boiler).

As placas coletoras são responsáveis pela absorção da radiação solar. O calor do sol, captado pelas placas solares, é transferido para a água que circula no interior de suas tubulações de cobre.

O reservatório térmico, também conhecido por Boiler, é um recipiente que efetua o armazenamento da água aquecida. São cilindros metálicos isolados termicamente (geralmente por poliuretano expandido). Desta forma, a água é conservada aquecida para ser consumida. A caixa de água fria alimenta constantemente o reservatório térmico.

Nos sistemas convencionais o fluxo de água entre os coletores e o reservatório térmico ocorre devido à convecção natural. Isso pode ser explicado devido ao fato de a água dos coletores ficar mais quente e, portanto, menos densa que a água no reservatório. Assim a água fria “empurra” a água quente gerando a circulação.

O Coletor Solar

Os raios do sol atravessam o coletor, eles esquentam o conjunto aletas-tubos (geralmente feitas de cobre ou alumínio) de coloração preta e assim obtém-se absorção máxima da radiação solar. Daí a água que está dentro da serpentina esquenta e, por convecção, flui para o reservatório térmico.

Benefícios da sua Utilização

Os benefícios obtidos em se utilizar o aquecimento de água por energia solar são inúmeros, dentre eles: economia nas contas de energia; redução na emissão de poluentes; economia de energia proveniente de fontes não renováveis; valorização da edificação que utiliza de tal sistema.

ANEXOS

Esquema completo de funcionamento do Sistema de Aquecedor Solar:

REFERÊNCIAIS

How Stuff Works – Solar Water Heater

http://science.howstuffworks.com/environmental/green-tech/sustainable/solar-water-heater.htm

ASBC – Manuais de construção de Aquecedor Solar de PVC

http://www.sociedadedosol.org.br/comofazer_manuais.htm

 

Referências

TABELA DE EQUIVALÊNCIA ENTRE GRAUS (ÂNGULO) E ELEVAÇÃO PORCENTUAL DA INCLINAÇÃO DO COLETOR

Nem sempre, duarnte a montagem de um aquecedor solar de baixo custo, o montador possui um medidor de graus (inclinômetro) à mão para regular/medir a inclinação de um coletor. Para facilitar, incluímos neste trabalho uma tabela que permite definir o grau desejado com facilidade (com referência na placa de PVC modular – 1,25m de comprimento).

Graus

Elev% Graus Elev% Graus Elev%
1 1,75 16 28,67 31 60,09
2 3,49 17 30,57 32 62,49
3 5,24 18 32,49 33 64,94
4 6,99 19 34,43 34 67,45
5 8,75 20 36,40 35 70,02
6 10,51 21 38,39 36 72,65
7 12,28 22 40,40 37 75,36
8 14,05 23 42,45 38 78,13
9 15,84 24 44,52 39 80,98
10 17,63 25 46,63 40 83,91
11 19,44 26 48,77 41 86,93
12 21,26 27 50,95 42 90,04
13 23,09 28 53,17 43 93,25
14 24,93 29 55,43 44 96,57
15 26,79 30 57,74 45 100,00

Referência:

Manuais da Sociedade do sol (para a montagem do aquecedor solar de baixo custo); link:
http://www.sociedadedosol.org.br/home.htm

Referências

O protótipo proposto foi projetado para permitir a demonstração de como ocorre o aquecimento de água utilizando a luz solar. A elevação de temperatura da água será mais bem observada em dias ensolarados, nos dias nublados também haverá elevação de temperatura, mas ao longo de um período maior.

A operação do sistema  AQUECEDOR SOLAR DE BAIXO CUSTO pode ser explicada com maior facilidade se todo o sistema for dividido em três partes fundamentais.
– Caixa de água quente
– Coletores solares simplificados
– Misturador de água quente

Materiais 
As peças necessárias estão disponíveis em lojas de materiais de construção.
A relação a seguir descreve as peças, as ferramentas e os complementos necessários para a montagem de um aquecedor solar didático. Ao lado de cada item, na coluna da direita, aparece qual a sua finalidade na montagem. 
        

   

http://www.sociedadedosol.org.br/home.htm